top of page

O Desapego numa Civilização Prostituída

Atualizado: 27 de out. de 2023



O “Desapego” parece um pouco intimidante, não é?

Infelizmente a maioria das pessoas tende a associar esta atitude espiritual como sendo emocionalmente fria e insensível.

Mas o verdadeiro DESAPEGO é bem o contrário, nos permite viver plenamente neste mundo sem estar aprisionado às “pessoas”, objetos, situações, emoções ou pensamentos que criam o sofrimento.
Mas não temos que vender, dar ou nos desfazermos de tudo o que possuímos e nos tornamos monges ou freiras para praticar o desapego, simplesmente precisamos entender a importância vital de deixar tudo fluir.
O não-apego ou a libertação do desejo foi comentado em muitas religiões, como no taoísmo, no hinduismo, mas esse conceito é mais comumente ligado ao budismo. Aqui estão algumas perspectivas dessas tradições religiosas espirituais sobre o não-apego.

"A raiz do sofrimento é o apego." Budha (Budismo)

"Quando atingimos o desapego, podemos entender o maravilhoso mistério do universo, na medida que é uma atividade intensa e ao mesmo tempo uma paz intensa, como é trabalhar a cada momento e descansar a cada momento." Swami Vivekananda (Tradição Hindu)

"Considere as árvores que permitem que os pássaros partam e voem para longe, sem convidá-los a ficar ou desejando que nunca as abandonem. Se seu coração pode ser assim, você estará perto do Caminho." Zen

Há simplesmente muitas citações em relação ao DESAPEGO para incluir aqui, mas espero que essas perspectivas lhe deem uma ideia de quão importante o não-apego não é apenas religiosamente, mas em termos de um nível global.
Então, o que essencialmente é o Desapego?
O não apegar-se não é sobre ser uma parede de tijolos fria ou ser emocionalmente morto, em vez disso, trata-se de aprender a abandonar os pensamentos, atitudes e emoções que criam o sofrimento. Uma vez que podemos deixar de estar tão apegados aos nossos pensamentos e emoções, experimentamos um tremendo alívio, paz interior e uma sensação penetrante de alegre bem-estar.
Quando podemos simplesmente permitir que a vida se desenrole naturalmente, sem expectativa pelos resultados, crenças, sentimentos, emoções ou opiniões, então experimentamos o não-apego verdadeiro. Imagine esse processo de desprendimento como sendo um cubo de gelo que derrete lentamente em uma poça de água corrente. A água, como a prática do não-apego, flui com a vida sem esforço e pacificamente, enquanto os cubos de gelo não, pois representam a cristalização de nossos pensamentos, comportamentos, emoções. O objetivo do não-apego, portanto, é tornar-se fluido como a água.
Essencialmente, o não-apego é sobre soltar tudo, tanto físico como não físico, ou o que professores espirituais como Eckhart Tolle se referem como “morrer antes de morrer”. Primeiro, isso parece assustador, mas morrendo antes de morrer realmente significa apenas deixar totalmente tudo o que o impede de encontrar o que é verdadeiro, eterno, imutável e presente em si mesmo para sempre. Nas palavras de Tolle, “A morte é uma remoção de tudo que não é você. O segredo da vida é morrer antes de morrer – e achar que não há morte “. Portanto, o não-apego, no nível mais profundo, é sobre retornar à natureza da sua verdadeira essência afrouxando o controle da mente inferior em coisas internas e externas .

Os benefícios do desapego.


Quando paramos de aderir aos fenômenos internos e externos, todo o nosso relacionamento com a vida se transforma. Aqui está o que pode ou não acontecer quando você aprende a praticar a aceitação e a entrega ...
Você vai parar de ser controlado por suas emoções, em vez disso, você se interessará por elas.
Você não estará mais ligado ao resultado, o que significa que você estará livre do medo, da ansiedade e da tensão interna que acompanha as expectativas por resultado.
Você será mais curioso, aberto e espontâneo porque você não tem desejos ou anseios predeterminados.
Você será mais pacífico e menos neurótico, o que significa que seus relacionamentos e amizades irão melhorar drasticamente.
Você se sentirá consistentemente relaxado e sereno porque não está se identificando com seus pensamentos e sentimentos, e em vez disso, você está testemunhando tudo como um “observador passivo."
Você será mais resiliente diante da perda e da morte porque você não está ligado às pessoas e percebe que todas as coisas materiais são efêmeras.
Você sentirá uma sensação de liberdade expansiva porque você não é mais um escravo da mente inferior.
Você sentirá uma sensação de totalidade porque você não precisa nem quer nada em particular, você está feliz assim como você está no momento presente.
Você sentirá mais amor por você mesmo e pelos outros, porque você não está associado a crenças e expectativas sobre quem os outros “deveria” ser ou o que “não deveria” acontecer, você vai dar a si mesmo e às outras pessoas a liberdade de serem eles mesmos sem julgamento.
Você experimentará mais sincronicidade à medida que a vida se desenrola sem esforço e naturalmente.
Você não será mais viciado em “receber” coisas ou preencher um buraco vazio em você mesmo porque está contente e não se liga à crença de que alguém ou algo “irá” completa-lo.
Você se sentirá mais aterrado e conectado à vida porque você não está perdido em apegos baseados no pensamento e emoções, você realmente participará da vida de forma mais completa.
Sua mente ficará mais clara e você poderá perceber a verdade com mais facilidade.
Você sentirá gratidão, amor, compaixão e felicidade permeando sua vida na medida que você deixar de ter a necessidade de perseguir a felicidade, que é o que geralmente cria infelicidade.


Coloque a não-resistência e o não julgamento junto com o desapego, e você tem uma receita para a paz interior completa.
Por quê?
Quando deixamos de resistir à vida e deixamos de julgarmos que as coisas são “boas” ou “más”, naturalmente liberamos muita emoção negativa como raiva, ódio, medo e tristeza.
Depois de ouvir sobre o não-apego, a tendência da mente é disparar instantaneamente e começar a manipular maneiras de “alcançar” o desapego.
Mas tenha cuidado!
O ponto integral do desapego é começar a prestar atenção aos seus pensamentos e, especialmente, em suas emoções.
O que ocupa sua mente o dia todo?
O que o conduz?
De que modos você está buscando a felicidade do mundo externo ao invés do mundo interno?
O não-apego é um conceito que nos ajuda a explorar o que está acontecendo dentro de nós, mas, ao mesmo tempo, ele pode facilmente se tornar outro apego.
Então, preste atenção.
Desconfie de permitir que o desapego seja mais um “Troféu” que você está tentando adicionar à sua “conquista” espiritual porque não funciona assim. É impossível praticar o não-apego verdadeiro quando estamos vinculados ao desejo de não estarmos apegados.
Como evitamos que esse apego amplamente ignorado aconteça?
Vamos explorar isso em seguida.
O desapego é geralmente o subproduto de práticas espirituais, como autodescoberta, auto-aceitação e auto-cura, auto-estima. Aqui estão algumas maneiras úteis de começar a abandonar hábitos, desejos, emoções e padrões de pensamento que já não o servem mais:

1. Pare de procurar a felicidade em coisas externas


Quando perseguimos a “felicidade” ao acreditar que alguém ou algo fora de nós mesmos pode nos deixar felizes, nós sofremos. Na verdade, a busca da felicidade é a maior forma de apego que existe na sociedade. Em vez disso, tente orientar sua atenção para dentro. Em primeiro lugar, buscar a felicidade vinda de dentro pode ser extremamente difícil, já que somos fortemente “condicionados” a encontrar “felicidade” em coisas materiais, realizações, posses, títulos e através de pessoas. Mas com a prática, você começará a encontrar o centro pacífico dentro de você mesmo conhecido como a sua alma (o seu SER REAL). Regularmente reservando um período de tempo para ficar quieto, em silêncio e ainda consigo mesmo pode ajudá-lo a sintonizar este espaço interior.


2. Solte os “deveria” e as “obrigações”

Como você se aproxima da vida? As palavras “deveria” e “obrigações” são uma parte importante do seu vocabulário? As expectativas que são apegos mentais são sempre precedidas por uma dessas duas palavras, por exemplo, “Ele deveria ser melhor”, “Eu devo conseguir isso ou eu vou falhar”, “Eles deveriam parar de fazer isso imediatamente”. Preste atenção ao uso dessas duas palavras e como elas refletem em seu comportamento. Você acredita que algo “deve” acontecer ou alguém “deve” seguir um certo caminho? Deixe fluir. Você não pode mudar as pessoas. Permita que a vida flua sem impor expectativas inúteis sobre ela.

3. Pratique a permissão


Permitir é censentir que a vida seja exatamente como está. Permita seus pensamentos. Permita suas emoções. Permita que as coisas não sigam o caminho que você esperava. Nas palavras de Abraham Hicks, “A Arte de Permitir é a arte de encontrar o meu alinhamento e, portanto, viver com alegria, não importa o que esteja acontecendo ao meu redor”. Ao permitir que a vida aconteça, você pára de resistir e para de sofrer.

4. Faça amigos com incerteza


Nós controlamos, planejamos obsessivamente e tentamos prever as coisas por puro medo, pela necessidade de controle de nosso EGO. Mas o problema é que quanto mais resistimos à incerteza, mais paranóicos, ansiosos, medrosos e tensos nos tornamos. Quando aprendemos a abraçar a incerteza e a permitir que a vida se desdobre como quiser, não experimentamos mais medo em vez disso, nos sentimos calmos, curiosos e abertos a todas as possibilidades, e passamos a perceber SINCRONICIDADE em nosso dia a dia. Essa abertura nos permite adotar uma atitude divertida em relação à vida porque não estamos mais limitados por temer o desconhecido. Às vezes, uma mudança simples na sua mentalidade pode ajudá-lo a favorecer a incerteza em vez de detestá-la. Por exemplo, em vez de temer “o que virá ao virar esquina”, comece a perceber o desconhecido como uma grande surpresa esperando por acontecer.

5. Aprenda a observar seus pensamentos, emoções e sentimentos


Seus pensamentos são simplesmente flutuações de energia que se elevam e caem como ondas no oceano. Quanto mais você incorporar a consciência do pensamento em sua vida, mais prontamente você verá quão irrelevantes são muitos pensamentos, eles apenas significam algo quando você atribui um significado a eles. Quando você não dá importância aos seus pensamentos, eles deixam de causar dor e emoções negativas.

6. Veja quão transitórias são todas as coisas


Olhe à sua volta e tente encontrar algo que durará para sempre. Quem ou o que durará eternamente? A realidade é que todas as coisas morrerão mais cedo ou mais tarde. Ao lembrar-se desse fato, você começará a viver a vida o mais completa e totalmente possível. Ver a transitoriedade da vida é profundamente triste, mas também nos dá a oportunidade de experimentar uma verdadeira alegria. Além disso, use esse reconhecimento para alimentar sua busca para encontrar o que não muda, ou o que é eterno e imutável.
Comece a procurar dentro de si mesmo e você ficará surpreso …
Ou mais do que surpreso ...
Em êxtase!



132 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page