top of page
  • Foto do escritorEd lopes

A Reencarnação Sintética

Atualizado: 27 de out. de 2023



A reencarnação tornou-se mais do que apenas uma crença. A reencarnação é a base de múltiplas filosofias, é muito mais que um simples dogma. Se algumas religiões baseiam seus dogmas na ressurreição da carne, a reencarnação é a base da maior parte das diferentes correntes e movimentos espirituais.


Toda uma panóplia de situações sujeitas a leis como o Karma, que sustentariam a ilusão de punição futura em face de ações incorretas ou imorais. Esperamos que a injustiça e a impotência sejam equilibradas no futuro, por meio de maior expressão, do que as leis civis, que são aplicadas de maneira tão injusta. Isso se torna uma crença difícil de se mover e, portanto, um dogma da fé.

A teoria da reencarnação aceita pela maioria é aquela que aceita nossa imortalidade e que toma a vida como um acúmulo de experiências, do erro de teste de tipo, para o qual se vai polindo esses erros, e pagando as consequentes faltas, de uma vida a outra. outro. Isso pressupõe que nascemos com uma culpa, a culpa que nós, com outro corpo, outra identidade, outra percepção, outras crenças e outras circunstâncias, acumulamos. Eu levaria a encarnação como um ponto e seguido, em que a memória não é preservada, a memória não permanece, mas as contas estão pendentes. Nascemos com uma dívida que hipoteca nossa nova encarnação, o que nos leva a punir, por razões que não conhecemos. Que o filho de hoje, pague pelos erros que outro cometeu, não parece um sistema justo e equilibrado, carma não pareceria um trabalho de um Deus que é amor, se não for o contrário, mas claro, esta é uma visão incompleta e tendencioso, ainda nos dando muito para descobrir.


Mais do que um processo evolutivo, a reencarnação parece uma usina de reciclagem.

A reencarnação, como ensinada a nós, significa que entramos numa roda perpétua, de encarnações, em momentos diferentes, mas no mesmo espaço, neste caso, neste planeta. Aqueles que nos levam a pensar que a grande maioria de nós poderia carregar centenas, se não milhares, de encarnações. Nessas encarnações anteriores, não completamos as experiências necessárias e tivemos que repetir uma e outra vez, como em um dia de marmota perpétua, um ciclo permanente de vida e morte sem significado, no qual não havia como escapar na aparência, e para sair, você teria que se tornar um avatar, como Buda ou Khrisna. Isso deixa você com uma impressão bastante limitante, já que se nos últimos poucos milhares de anos poucos chegaram ao estado de entendimento suficiente para sair deste Samsara, quantas centenas de encarnações são deixadas para os mais de 7.000 bilhões de pessoas que habitam a terra.

Obviamente, isso faz cada vez menos sentido e à medida que você progride, você o perde completamente.

Se olharmos para isso de um ponto de vista de primeira pessoa, permanece como segue ...

Eu nasci, eu alimento e cresço, eu conheço e experiencio o que é alegria, tristeza, amor, ódio, riso e choro. Eu experimento tudo o que a vida me oferece, eu trabalho, eu me apaixono, tenho filhos e depois netos, experimento sofrimento, doença, mágoa, depois velhice e finalmente morro. Eu levo muitas experiências comigo, muitos sentimentos e emoções, eu levo o amor daqueles que me amaram e deixo todo o amor que eu poderia oferecer a eles, mas isso não é suficiente, eu tenho que voltar para encarnar, eu aceito isso e acho que é necessário, fiz coisas erradas, errei, cometi erros, posso ser levado pelos meus instintos inferiores muitas vezes, mais do que gostaria, sei que, se voltar a encarnar, posso polir tudo isso e ser um pouco melhor eu nasci, me alimentei e cresci, não sei quem eu sou, nem o que faço aqui, quem são essas pessoas comigo e por que sou tão indefeso. Estou com fome, estou com frio, mas ninguém me escuta e só chora para entrar em contato e chamar a atenção dessas pessoas. Eu conheço e experimento o que é alegria, tristeza, amor, ódio, riso e choro. Eu experimento tudo que a vida me oferece, trabalho, me apaixono, tenho filhos e depois netos …

Isso é repetido dessa maneira, repetidas vezes, com pequenas variantes, pequenas nuances que não alteram de forma alguma esse esquema básico.
Nós podemos matar e sermos mortos, roubados , e torturados, podemos morrer crianças, jovens ou velhos, podemos morrer acidentalmente ou nos matar, mas, se viver é apenas experimentar evoluir, qual é o sentido de repetir?

isto, centenas e centenas de vezes, encarnando diferentes papéis, sendo mulher ou homem, alto, baixo, gordo ou magro, no final o esquema não muda, nasce, cresce, se reproduz e morre. Juntamente com tudo isso, um extenso catálogo de emoções e sentimentos, acompanhando cada um desses dramas repetitivos.

É realmente necessário repetir tanto isso?


Você ainda acha que ir para a luz é a coisa certa?


Muitos ainda verão uma certa lógica na reencarnação, a dualidade tem múltiplas combinações e múltiplas nuances, múltiplas maneiras de conhecer o bem e o mal, mas finalmente a dualidade são apenas duas posições, duas maneiras de entender cada uma das coisas, continuando a pensar que a reencarnação faz sentido? Certamente ainda haverá aqueles que se apegam a essa idéia, mas tudo indica que a reencarnação nada mais é do que um desvio intencional no fluxo natural da energia de Deus chamada alma. Alguém encontrou uma maneira de conter e manter, aquele fluido energético neste planeta e não é uma crença, é uma certeza, o que faz a reencarnação perder seu sentido existencial e apenas um sentimento de fraude estúpido e o vazio permanece.

O apagamento da memória no nascimento não sugere que a reencarnação seja baseada na experiência, se realmente adquirimos experiência e que a experiência é importante em nossa evolução espiritual, por que apagar nossa memória?

Com isso, ninguém aprende nada com a experiência e a única coisa que causa isso é que os mesmos erros são cometidos repetidas vezes, as mesmas dívidas são pagas repetidas vezes e as mesmas falhas são arrastadas. Ninguém pode aprender através da experiência, se forçado a esquecer essa experiência. Que sentido faria se um médico apagasse sua memória quando terminasse sua carreira, que sentido faria um músico esquecer como tocar seu instrumento, que sentido faria um pássaro esquecer como voar ou um peixe nadar?

É isso que postula a reencarnação e o quanto faz sentido para muitos e nenhum para a lógica e o senso comum. Há uma crença de que para esta experiência chamada vida ser sem sentido, nós devemos esquecer a divindade que esconde nosso ser, que se nós pudéssemos verdadeiramente lembrar nossa origem divina, este jogo seria sem sentido, bem, na minha opinião este argumento não é mais que um argumento mal insustentável.

Uma vez que percebemos que a reencarnação, tal como estipulada neste planeta, é um sistema sintético ou artificial, para nos manter aprisionados neste orbe, com uma razão ou um propósito pouco claro, e que coisas como o carma, seriam apenas as conseqüência em um absurdo existencial. Morra, entre no mecanismo de reencarnação (armadilha) e nasça de novo. Uma roda de moinho para comungar de novo e de novo, sem sentido ou conserto. As conseqüências disso são altas e, à medida que a sociedade progride tecnologicamente pior, surgem novos apegos, novas maneiras de prendê-lo, novas maneiras de mantê-lo preso.

Séculos atrás, era mais complicado morrer com apegos, o comum dos mortais dificilmente tinha qualquer propriedade, não valorizava a matéria e as obrigações não iam além da comida e da proteção dos seus próprios. Como o planeta das almas foi preenchido, os elementos tecnológicos do controle da mente foram multiplicados por 1000, propriedades foram concedidas, bens materiais foram concedidos, tecnologias foram concedidas, tudo foi hierarquizado, e tudo isso foi preenchido com anexos para algumas almas que não estavam acostumadas a uma vida entre matéria.


Este sistema de reencarnação sintética, não permite a depuração de uma encarnação para outra e limita-se apenas a apagar a memória, levando esse novo corpo, com uma bagagem de energia interrompida. Isso, no futuro do novo ser encarnado, torna-se uma bomba-relógio. Nascemos com muitos apegos, dramas, sofrimentos, traumas, muitas energias baixas que não são convenientemente purgadas e que não desaparecem após o apagamento da memória, essas energias densas são absorvidas pelo novo ser uma vez que ele nasce e permanece inativo até que eles acabam namorando de maneiras diferentes.

Fobias irracionais, alergias, ódios sem sentido, sintomas depressivos, doenças crônicas ou até mesmo câncer. As cicatrizes, por exemplo, também podem sobreviver de uma encarnação a outra, permanecendo como marcas ou manchas na pele, os famosos e mal chamados desejos, que deveriam ter mães, não seriam nada mais que restos, cicatrizes que foram preservadas eles cruzaram a fronteira de uma vida para outra. Nem desaparece com o apagamento da memória, do sexo, isto significa que, ao não purgar corretamente a encarnação anterior, na próxima encarnação você trará não apenas os apegos e traumas, você também terá um gênero definido, que se coincide com o do seu. Em uma nova encarnação, não haveria problema no começo, o ruim é que você traz um gênero diferente daquele que você pega, criando um conflito interno e uma confusão na identidade sexual. Os problemas criados por esta reencarnação sintética explicam a maioria dos conflitos e doenças de natureza genética que a medicina e a ciência tentam diagnosticar infrutiferamente.

Na realidade, a herança genética não influencia o despertar de doenças crônicas, cardíacas ou carcinogênicas. A doença em sua maior parte é enérgica e emocional, e aparece por influência direta da encarnação anterior não purgada. Isso explica como as crianças, sem história genética ou toxicológica, sofrem de doenças crônicas complexas, mais comuns em adultos, do que em crianças, como cirrose, problemas renais, neuronais ou imunológicos. Algo semelhante aconteceria com o gênero, homens presos no corpo das mulheres ou vice-versa, casos que a ciência falha em explicar e que as filosofias orientais concedem ao karma, lavando as mãos claramente, mas na realidade, é o fruto de um sistema sintético de reencarnação em que o apagamento da memória não elimina todos os restos identificativos que a alma irá arrastar de uma encarnação anterior. Você nasceu, mas não limpo e puro, inocente e sem mácula, se não arraste todas as consequências, de uma vida para outra, todas as impurezas, a identidade, o gênero e todas as emoções.

Para a alma e para o universo, a mudança de corpo não seria tomada como uma nova encarnação, se não como a mesma, seria uma espécie de transplante, ao invés de uma encarnação, porque a alma não retornou à sua origem após a morte, zombou o sistema natural pelo qual a alma toma a carne e subseqüentemente a libera, portanto a lei do karma continuaria a operar, porque a continuidade é criada, não há purificação, não há jubileu espiritual, não há obscurecimento e nova explicação, se não que o medidor continua funcionando e esses grupos de conseqüências anteriores continuam a acontecer. Além do fato de que este sistema implica que acaba sendo corporificado, no mesmo núcleo familiar, isso significa que o avô (ou o bisavô) geralmente incorpora no neto, portanto, um círculo vicioso é criado que a lei de causa e efeito, nunca para de agir, entre os mesmos seres, o karma nunca se vai e isso continua a acumular-se continuamente nesses círculos, formando uma toxicidade.

Por incrível que pareça e o quanto isso colide, a maioria dos conflitos de identidade, os traumas irracionais, são causados ​​principalmente pela reencarnação sintética, chegamos a este mundo com muitas coisas que não foram resolvidas, que eles não foram limpos, eles não foram liquidados, o que significa que tudo o que ainda está lá no nascimento, nós não somos novas almas quando encarnamos, nós temos uma bagagem inteira atrás, muitas vidas, muitos dramas, muitas experiências, que nós não fazemos eles são apagados e eles permanecem lá quando nascemos, eles apagam nossa memória.

Provocando amnésia que não elimina quem você era, eles transplantaram sua alma para outro corpo novo, como um vaso é transplantado, por exemplo, mas toda a energia emocional ainda está lá e vai sair na luz assim que começarmos a respirar novamente. Tudo sai, e aparecerá de diferentes maneiras, seria importante e até conveniente, limpar toda a bagagem que trazemos assim que nascemos, para evitar que este pacote emocional que nos trazem nos cause danos no futuro.


Nascemos com toda a bagagem emocional de nossas vidas passadas.

Se revisarmos o processo de reencarnação que prevalece neste planeta, perceberemos onde está nosso erro e onde está a causa que leva a esse efeito, onde falhamos, a cair de novo e de novo. Quando morremos, soltamos nosso corpo físico, nos separamos de um de nossos corpos, mas ainda haveria o corpo mental, o espiritual e a alma.

Naqueles primeiros momentos a mente ainda tem controle sobre a consciência, nós ainda somos uma identidade, temos um nome e sobrenomes, temos uma família, temos crenças, temos posses, uma posição, tudo isso, continua em nossa mente, tomando o destaque leva tempo para se tornar consciente do que você deixa para trás, do que você tem que se livrar, o que nada significa. A mente deve dar lugar à consciência, pouco a pouco a consciência e essência espiritual que você é, que deveria assumir o controle e guiá-lo para onde você deveria ir. Isso seria natural, isso é comum, muitos nem sequer passam por esse processo, morrem lucidamente e sabem como se livrar de tudo e sua consciência toma controle mais rapidamente e deixa esse ambiente de uma só vez, mas aqueles que ainda se apegam a quem são e o que eles deixam cairá irremediavelmente em decepção. Nessas primeiras horas, nossa mente continua a buscar contato com o conhecido, você tem responsabilidades, família, obrigações importantes que a morte não pode, nem deve interromper e você acredita, você lutou muito para conseguir o que você tem e agora você está desprovido de tudo e você não quer deixar passar.

Nestes casos, o Ser ficará preso nessa realidade ou cairá na armadilha da luz. No caso em que ele é atraído para esse túnel e que a luz, esse ser, continuará a operar em sua mente, ele continuará a identificar-se com o que ele encontra lá, porque sua mente não conhece a verdade como sua consciência, sua mente só conhece a realidade palpável, portanto, você encontrará a projeção em sua mente. Ele aparecerá em um paraíso, onde todos os seus desejos e desejos são criados imediatamente, sejam eles quais forem.

Obviamente, não será um paraíso, não é um paraíso, apenas uma prisão metal, uma ferramenta que controla a mente e impede que a consciência ou a alma sejam liberadas. Este Ser permanecerá em um recipiente vivendo uma irrealidade projetada em sua mente e permanecerá ali esperando, trancado, catalogado e armazenado, até que seja o tempo, no qual através dessa projeção mental, ele esteja convencido de que ele deve encarnar novamente, sua memória será apagada e o ciclo de reencarnação começará novamente, com toda a bagagem de energia que ele trouxe mais cedo, como é.


Limpar a memória deste sistema não limpa toda a sua experiência emocional.


O controle mental é uma ferramenta muito usada socialmente, tudo controla a mente do vizinho, isso é relativamente simples, há centenas de métodos de controle da mente, desde a simples manipulação que uma mãe exerce sobre o filho, que qualquer pessoa exerce sobre o parceiro, ou que exercido por diferentes mídias, de publicidade, política ou religião, tudo é baseado no controle das mentes, seja por interesse econômico, social ou puramente particular, que você deseja exercer sobre uma massa ou uma única pessoa individualmente. A mente é o veículo para dobrar a vontade e transformar a intenção, controlando a mente, o corpo é controlado e a consciência é controlada. O corpo mental está em uma camada intermediária, transmite tudo o que passa pelo nosso pensamento, é facilmente acessível e manipulável, a intenção e a vontade sagrada do Ser são ridicularizadas e controladas pela mente. A mente também opera com vontade e intenção mudando sua polaridade através dela.

As entidades que operam neste planeta e controlam o fluxo das almas, têm um controle estrito e predeterminado. Um protocolo de ferro estabelece todas essas diretrizes, desde o momento em que o ser pega a carne, até que a abandone, é uma operação calculada na qual nosso pior inimigo é nossa falta de memória, nossa capacidade zero de entender e lembrar. Eles conhecem todas e cada uma das almas que estão aprisionadas neste planeta, todas e cada uma delas é reconhecida quando desencarnadas e cada uma delas é adequadamente tratada de acordo com seu método, para evitar sua memória. Como todo pastor conhece perfeitamente seu rebanho, eles sabem e sabem tudo sobre cada um dos seres que fazem parte de sua fazenda, eles pastam há milhares de anos e sabem mais sobre nós do que nós.

O constante apagamento de nossa memória e o controle de ferro que exercitam em nossa mente nos impedem de nos lembrar de quem somos. Vivemos pensando que esta é a nossa única vida, mas não percebemos que os cemitérios estão cheios de ossos que já foram nossos. A arqueologia só escava e exibe em museus, nossos próprios ossos, milhares de anos presos, milhares de corpos decompostos, milhares de vidas desperdiçadas, milhares de experiências que eram inúteis, porque não podemos nos lembrar delas. Somos o que somos agora, é agora que importa, mas devemos estar cientes e compreender que também fomos, que nossos trisavós foram nós, e que antes eram também seus.

Mesmo assim, o protocolo não é infalível e cada vez mais, apresenta sintomas de fraqueza, mais e mais casos de crianças nascidas lembrando sua vida anterior, isso que a princípio não deveria ser normal e até agora não era, toda vez há mais casos de crianças que se lembram de sua vida anterior de maneira clara e detalhada, criando confusão em seus pais. Normalmente é trazido à vida, alguma memória, de alguma vida anterior, que quando a criança amadurece, finalmente desaparece, deixando apenas o gosto por algo concreto, uma refeição, um cheiro, medos ou fobias, coisas profundamente enraizadas, mas geralmente não identificadas com uma vida passada.

Temos nos repetido por milhares de anos, eles incutem em nós crenças sobre ascensão, iluminação, transcendência, sabedoria e como alcançá-los, mas eles não nos dizem que devemos apenas lembrar, que uma vez que conseguimos descobrir quem somos, não precisaremos de nenhum método, porque tudo sairá naturalmente, a compreensão do todo será suficiente e não haverá nenhuma célula para nos incluir.

Não vamos ficar porque a nossa vontade e a nossa intenção vão de mãos dadas e não haverá muro que impeça a sua saída. Aproximadamente mais de 90% das almas na Terra hoje são novas almas, almas que não encarnaram aqui antes ou carregam muito poucas encarnações, que decidiram vir ajudar seus irmãos, mas esqueceram quem são e para que estão aqui . Cerca de 200 anos atrás, eles começaram a chegar em uma tromba. Chuvas torrenciais de almas, saturando um sistema que tem os dias contados, uma armadilha no fluxo natural, que deve retomar seu curso novamente, depois de quebrar a represa que impede o fluxo natural das almas. Esta geração será aquela que causa o transbordamento daquelas almas, aquelas que ativam e destroem seus mecanismos. Muitos recém-chegados não apenas se acostumam com essa forma de controle, eles não se lembram, eles estão confusos e não se sentem confortáveis ​​aqui, outros não têm mais de três ou quatro encarnações na Terra e continuam igualmente frustrados, bilhões de seres esperando o momento para realmente acordar.


Somos a chave para sair deste ambiente viciado.


A reencarnação nada mais é do que uma forma sintética de reter todos os que vivem aqui contra sua vontade, 7.000 bilhões de almas são muitos, de modo que eles consigam evitar que o sistema entre em colapso, os sintomas do colapso se tornarão cada vez mais evidentes e toda essa tecnologia holográfica desaparecerá mais cedo do que tarde e todos nós a veremos. Eu não pretendo tocar crenças pessoais ou dogmas, algumas fibras que certamente tocarei com este texto, doença, sofrimento, identidade ou sexualidade, são dogmas que despertam dúvidas assim que você os aborda de maneira não convencional, mas não podemos continuar a nos enganar com o discurso espiritual que justifica a reencarnação e a prisão espiritual que vivemos neste planeta. Nós temos o conhecimento agora que temos que alcançar entendimento suficiente para colocá-lo em prática.

Eu não finjo que você acredita em mim, eu não ganho nada se você acreditar em mim ou parar de acreditar em mim, isso é algo pessoal. Estas não são teorias, não são hipóteses, não são conjecturas, é hora de começarmos a duvidar de tudo o que nos disseram. Também acreditei que a reencarnação é um caminho experiencial, no qual evoluir através de um veículo, e esse princípio Funciona, mas não na terra. Eu também caí nessa armadilha, até você entender que isso não é um planeta livre.

Se quisermos sair da cela, devemos parar de ouvir as canções das sereias de nossos carcereiros. Que tipo de prisioneiro está procurando por seu carcereiro para lhe dizer como escapar de seu cativeiro?

Nenhum.

Isso não tem lógica, mas é o que até Agora nós fizemos.

Pare de procurar pela divindade e comece a desenvolver a sua própria, nós temos a chave em nosso poder, mas nós preferimos continuar ouvindo aquele que nos mantém na prisão, em vez de olhar para onde guardamos a chave.

Você tem a chave para escapar do holograma.

Você só tem que lembrar como.




85 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page