top of page

A Caverna e a Matrix

Atualizado: 11 de jan.



O padrão da cultura é semelhante a caverna que Platão descreveu e a matrix que Neo teve que superar.

Como tal, nossa matrix/caverna é o padrão cultural ao qual tendemos a aderir. Portanto, para evoluir progressivamente (como indivíduo e como espécie), devemos transcender a caverna e superar a matrix, devemos estar dispostos a quebrar o padrão cultural. Claro, é mais fácil dizer do que fazer, porque o medo do desconhecido está sempre presente.

Aqui está o assunto: a Iniciação da alma exige a aniquilação do ego. Tenha em mente que não é uma destruição completa. É uma destruição criativa.

Semelhante à forma como a lagarta é aniquilada no casulo e depois surge na forma de uma borboleta, uma perspectiva egocêntrica é aniquilada pela superação de um limite existencial e depois volta novamente na forma de uma alma centrada na perspectiva. Mas ao contrário da lagarta que age de forma instintiva para criar seu casulo, o ser humano deve atuar com coragem para criar sua fase de casulo.

Isso requer um salto de coragem. Três, em particular. A coragem de se questionar, a coragem de se destruir e a coragem de renascer. Vamos descrever eles abaixo.


Questione-se


“Aqueles que não aceitam mudar de ideia, não podem mudar nada”. ~George Bernard Shaw

Tanto a caverna como a matrix são meta símbolos para ilusões inquestionáveis. Um ego que se forma sem a capacidade de questionar permanecerá sempre inabalável (preso na caixa de suas próprias ilusões), a menos que uma força externa algo traumático como a morte de um familiar ou uma experiência de quase morte, atue sobre ele com pressão suficiente para chutá-lo a uma fase de casulo.

Às vezes, os eventos traumáticos nos dão a coragem de nos questionarmos, mas raramente é o suficiente. Em algum momento, ainda temos que dar um impulso com coragem para questionar quem pensamos que somos. Quanto mais questionamos, mais as sombras na caverna começam a ficar borradas e a luz do Sol se aproxima. Mais a matrix começa a derreter no deserto da realidade. Mais as caixas dentro das quais costumávamos pensar no nosso interior começam a se achatar. Mais os paradigmas mentais frágeis em que nossos pensamentos estavam presos se quebram contra a robustez do nosso ceticismo. As coisas se abrem. As coisas ficam iluminadas. A providência torna-se a razão para continuar a prática de nos questionarmos a enésima potência.



Então, pergunte a si mesmo, mas não pare por aí. Mude todos os seus paradigmas. Agite todos os alicerces seguros. Refaça todos os planos desatualizados. Desmanche todas as penas excessivamente presas.

Especialmente se você é o único apegado a garantir estas bases e a seguir este plano desatualizado. O mais poderoso pulo de coragem que você pode executar é tirar a espada da pergunta de sua bainha e cortar a ilusão da sua certeza.

Porque, aqui está o segredo, são ilusões em todo o caminho para baixo. Como Scott Adams disse:

“A mente humana é um gerador de ilusão, não uma janela para a verdade. O melhor que qualquer ser humano pode fazer é escolher uma ilusão que o ajude a passar o dia”.

A caverna em que você passa o dia. A matrix que você convive ao longo do dia. Questionar tanto a caverna quanto a matrix o deixa além de sua perspectiva egocêntrica e produz a matéria-prima necessária para desenvolver uma perspectiva centrada na alma, fornecendo o combustível para o fogo de mudanças autênticas e saudáveis.


Destrua-se


“Fuja do que é confortável. Esqueça a segurança. Viva onde você tem medo de viver. Destrua sua reputação. Seja notório”. ~Rumi

Questionar-se leva você para longe. Ainda existe cultura para lidar, e a cultura é o principal suporte e permanência da caverna e da matrix. Você é um aspecto da cultura, como uma gota no oceano, então, você também deve ter coragem de questionar seus aspectos culturais. Este é provavelmente o mais assustador salto de coragem porque existe a ameaça inerente ao ostracismo. Que é uma possibilidade provável.



Antes que você possa lidar com a luz cegante de fora da caverna, antes de poder suportar a dor do deserto da realidade de fora da matrix, você deve experimentar a destruição do seu eu. Alguns chamam isto de morte do ego. Alguns chamam de uma noite escura da alma. Estamos usando a metáfora do casulo. E dentro do casulo ocorre a aniquilação absoluta do ego não iniciado (o eu ingênuo, ignorante e dependente) antes da reanimação completa do ego que é iniciado pela alma.

Devem ser feitas perguntas filosóficas profundas. Como: prefiro a dor de conhecer o deserto da realidade ou o conforto de permanecer ignorante dentro da matrix, prefiro ser beijado com as mentiras ou receber uma bofetada da verdade, prefiro a incômoda aventura de buscar o meu caminho para sair da caverna ou a segurança de permanecer preso as correntes na parede. Responder a estas perguntas pode ser um processo destrutivo. Mas vai ficar tudo bem. Porque se você pode sobreviver, a sabedoria de suas cicatrizes e a experiência da resistência, sua alma tornará você ainda mais capaz de ser iluminado pela luz do Sol fora da caverna e se mover na dureza do deserto da realidade fora da matrix.

Então destrua a versão de você que se apega às suas correntes. Aniquile o aspecto de você que ignorantemente discute os pontos da desilusão. Derrube e altere todos os tronos. Especialmente se o seu orgulho for mantido refém.


Renasça Novamente


“A ideia de um segundo nascimento é encontrada em todos os momentos e em todos os lugares”. -Jung

Ser guiado pela alma é ser iluminado pela verdade. É ver autenticamente a luz solar. Estar realmente sentindo a dureza do deserto da realidade. É a capacidade de renascermos ciclicamente, novamente e novamente.

O que é a verdade ?

A verdade é que antes, estávamos presos pelo medo e não estávamos conscientes da nossa ilusão, enquanto que agora, no auge cósmico do nosso renascimento, somos livres para questionar nossas ilusões e, portanto, ficar à frente do medo. Podemos olhar para trás em nosso caminho e ver como nossa codependência (caverna/matrix) se dissolveu na independência (na fase do casulo) que se dissolveu em interdependência com todos (renascimento). E agora estamos preparados para superar nossas ilusões (transcendência).


Jesus respondeu-lhe, declarando: “Em verdade, em verdade te asseguro que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.” João 3:3

O despertar é um contínuo processo destrutivo.

Você não se constrói durante o acordar. A medida que você avança no conhecimento sobre o que você nunca questionou, você vai desintegrando o ser humano velho, renascendo-o depois de esquecido, e dando lugar para o novo. A sua construção e renascimento depende de como você foi se lapidando nessa reconstrução. Para ganhar tudo você precisa perder tudo. A realidade não permite a permanência ou existência de quaisquer valores baixos que você tenha alimentado, e que encrustou sobre você como uma dura casca, difícil de ser retirada. A medida que você deixa para trás e elimina os falsos valores que este mundo, a matrix veio lhe incutindo, e que o prendiam a este mundo aumentando as amarras de sua cela, você cresce e aumenta os honorários de sua nova liberdade que a escravidão te impedia de ser exercida no mundo das aparências.

É preciso destruir o homem velho, e a mulher velha, que te segurava e ia te atrasando.

Aquilo que não serve para a realidade é exatamente o que te prende, e que te mantinha prisioneiro. Nunca te deu espaços para conhecer o seu verdadeiro eu, e o alimento que não é visto por fora.



As ilusões ainda estão lá, é claro, porque as ilusões estarão sempre lá. As ilusões são uma estratégia de sobrevivência para uma criatura que sabe que seu corpo vai morrer, que deve lidar com a pequenez de viver em um Universo incomensurável e a finitude de saber que o seu corpo está destinada a morrer apesar de ter o infinito em seu coração. Como Berdyaev citou:

“O homem é uma criatura finita e limitada, mas ele mantém o infinito dentro dele, e ele exige o infinito como seu objetivo”.

Mas pelo menos, não somos mais escravos das nossas ilusões. Não somos mais escravos do medo. Ganhamos a capacidade transcendente de questionar nossas ilusões e desafiar nossos medos. Ganhamos os recursos espirituais para sermos flexíveis e robustos contra a falta de sentido inerente da realidade.

Nós garantimos a habilidade existencial de abraçar o infinito em nosso coração e mantê-lo contra a falta de sentido do Universo, declarando que isto é significativo para nós.



Página Inicial

128 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page